A saúde e a claridade óptica da córnea do ser humano são de grande importância, uma vez que o prejuízo em suas funções pode acarretar degradação ou perda de visão. Embora expostas à atmosfera entre um piscar e outro, as estruturas oculares são protegidas por uma película de lágrimas organizadas. O filme lacrimal é essencialmente uma estrutura trilaminar constituída por uma espessa camada de muco que aumenta a umidade da superfície ocular, que ajuda a prevenir a evaporação rápida da camada normal de lágrima.

Anormalidades na produção, qualidade ou reconstituição do filme lacrimal irão resultar em diversos estados patológicos considerados como condições de olho seco.

Problemas do olho seco pode ser resultado do baixo volume de lágrima por deficiência aquosa ou de qualidade inadequada por deficiência de lipídeos ou deficiência de muco.

Teoricamente, os ácidos graxos essenciais (AGE), da séria ômega 3, podem ser benéficos na doença do olho seco de duas maneiras: reduzindo a inflamação e alterando a composição dos lipídios das glândulas meibomianas.

O uso de dos AGE em apresentação oral, na forma de óleo de linhaça ou óleo de peixe, é considerado uma alternativa para o tratamento de portadores de diversas formas de deficiência lacrimal. São fontes de ácidos graxos essenciais do tipo ômega-3: as nozes, os peixes de água fria (cavala, sardinha, arenque, salmão, truta, bacalhau) a semente de soja, o óleo de canola e o óleo de linhaça.

Além dos AGE da série ômega-3, outros fitoquímicos vem sendo estudados nas doenças oculares. Dentre eles, podem se destacar as antocianinas (das frutas roxas), o resveratrol (das uvas, do açaí) e a epigalocatequina galato (do chá verde).

Outro nutriente que merece atenção é a vitamina A, essa vitamina lipossolúvel é essencial para a síntese de fotopigmento retinal, sendo de grande importância para a manutenção da integridade e função das células epiteliais da córnea e conjuntiva, e sua deficiência pode promover mudanças anormais na conjuntiva. São fontes de vitamina A: vegetais folhosos verde-escuros, batata doce, pimentão, óleo de fígado de bacalhau, gema de ovo, cenoura, abóbora, mamão e manga.

O uso de vitaminas, fitoquímicos e óleos, na forma de suplemento dietético e /ou alimentar, são eficazes na prevenção e no tratamento da doença do olho seco. No entanto, o uso de suplementos dietéticos deve ser supervisionado por médico e/ou nutricionista, que irão definir a forma e a dose ideal de cada nutriente a ser utilizado.

DRA. ANA PAULA KARAN
Nutricionista

DR. MARCOS SZPAK MARTINS
Oftalmologista